Imagem Hospital Veterinário do Porto

Centro de Diagnóstico de Patologias Esqueléticas

Para levar a cabo o diagnóstico de patologías esqueléticas do seu boxer, que pode tratar-se do diagnóstico de displasia da anca, ou o diagnóstico de espondilose deformante, deve apresentar-se no seu médico veterinário onde vai realizar as radiofrafías levando consigo:

Este protocolo;

O impresso a solicitar o certificado oficial que corresponda (que pode descarregar aqui)

O veterinário realizará as radiografias seguindo as recomendações deste protocolo, preencherá o impresso e juntará as imagens (radiografias) requeridas.

Previamente, antes de enviar o exame para diagnóstico, deverá enviar o valor da leitura oficial para a conta bancária do Hospital veterinário do Porto.

Dados para transferência
Banco Santander Totta

NIB: 0018 00000 502 812 800151

Nota: Indicar nome do exemplar, n.º de LOP e nome do proprietário do exemplar que está a pagar.


Tabela de preços

Sócios Não Sócios
Preço do diagnóstico oficial de displasia 25.00 30.00
Preço do diagnóstico oficial de espondilose 25.00 30.00
Preço do diagnóstico oficial de displasia e espondilose 40.00 50.00

BCP – CENTRO DE DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS ESQUELÉTICAS
HOSPITAL VETERINÁRIO DO PORTO
Travessa Silva Porto, nº174
4250-475 Porto

IMPORTANTE: (A falta de algum destes documentos impede a realização do diagnóstico).

Impresso de pedido de cada diagnóstico devidamente preenchido.

As imagens radiográficas requeridas para cada um dos exames.

Fotocópia de Pedigree (onde figurem nome, data de nascimento, sexo, côr e identificação.

Fotocópia do recibo de pagamento na conta do HVP.

Fotocópia de recibo de pagamento da quota BCP, ano de diagnóstico.

O resultado do diagnóstico será comunicado no prazo médio de duas semanas ao proprietário, ao veterinário que consta no impresso e ao BCP.

Haverá a possibilidade de apresentar recurso ao diagnóstico emitido, por escrito endereçado ao BCP e argumentado pelo veterináio que realizou a radiografia, pagando préviamente 30.00€.

NORMAS PARA A CORRECTA REALIZAÇÃO DAS RADIOGRAFIAS DE DIAGNÓSTICO DE DISPLASIA DA ANCA (HD) E ESPONDILOSE (Sp).

1. O exemplar ter no mínimo um ano de idade.
2. As radiografias devem apresentar boa qualidade, aceitando-se tanto o formato convencional (40×30) como o digital (Dicom). A preparação da radiogradia implica a sedação profunda ou anestesia geral do animal para uma correcta realização do exame..
Displasia da anca (HD): Com o animal em posição ventro-dorsal, a imagem radiográfica deve ser perfeitamente simétrica e incluir toda a anca, fémures, rótulas e os condilos tibiais. Além da semetria da anca, é importante preservar o paralelismo dos fémures e a posição centrada das rótulas.
Espondilose (Sp): Radiografias latero-laterais que incluam todas as vertebras torácicas, lombares e o sacro. Podem realizar-se duas imagens que se sobrepôem se necessário.
3. Para a identificação da radiografia únicamente serão aceites os sistemas que permitam a impressão no momento do disparo letras metálicas ou sistema X-write de fitas de chumbo. Serão recusados outros sistemas de identificação à posteriori. Na placa constará a identificação das extremidades, assim como os dados enumerados a continuação (em ordem):

Nome do exemplar.

Tatuagem ou número de micro-chip (Preferencialmente este último).

Data de Nascimento.

Data de realização da radiografia.

Assinatura do veterinário por meio de marcador permanente.

4. O exame radiográfico deve permitir confirmar ou descartar a presença de displasia da anca ou espondilose, valorizando os diferentes graus A, B, C, D, E (em caso de displasia) e 0, I, II, III, IV (em caso de espondiloses). Eventualmente, o resultado de espondilose pode ser adicionado seguindo o critério de valorização comparativa com a média da raça (critério do BCI). Desaconselha-se a utilização para criação de exemplares com displasia D ou E. Durante o período de implementação incial (2 anos) o resultado da espondilose considera-se a título informativo, mas em qualquer caso desaconselha-se a utilização para criação de exemplares com espondilose III ou IV.
5. O leitor oficial deverá receber:

As imagens radiográficas perfeitamente realizadas e identificadas.

A data do exame devidamente preenchida.

Os outros documentos referidos anteriormente (cópias de pedigree e recibo de pagamento).

RESUMO ESQUEMATIZADO DOS PASSOS A SEGUIR:

1. Descarga através do site do BCP do protocolo e impresso de certificado de exame.

2. Realização do exame seguindo as instruções do protocolo.

3. Pagamento ao HVP do valor correspondente à realização do diagnóstico.

4. Envio do certificado de exame juntamente com todos os documentos requisitados.

5. Recepção do diagnóstico oficial no prazo estabelecido.