.

 

BOXER CLUB DE PORTUGAL

 

CENTRO DE DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS ESQUELÉTICAS.

 

 

 

 

 

 

 

 

Para levar a cabo o diagnóstico de patologías esqueléticas do seu boxer, que pode tratar-se do diagnóstico de displasia da anca, ou o diagnóstico de espondilose deformante, deve apresentar-se no seu médico veterinário onde vai realizar as radiofrafías levando consigo:

O veterinário realizará as radiografias seguindo as recomendações deste protocolo, preencherá o impresso e juntará as imagens (radiografias) requeridas.

Previamente, antes de enviar o exame para diagnóstico, deverá enviar o valor da leitura oficial para a conta bancária do Hospital veterinário do Porto.

 

BANCO SANTANDER TOTTA

NIB: 0018 00000 502 812 800151

 

Indicar nome do exemplar, n.º de LOP e nome do proprietário do exemplar que está a pagar.

 
SÓCIOS
NÃO SÓCIOS
Preço do diagnóstico oficial de displasia
25.00
30.00
Preço do diagnóstico oficial de espondilose
25.00
30.00
Preço do diagnóstico oficial de displasia e espondilose
40.00
50.00

 

 

 

 

Uma vez enviado o dito valor para a referida conta, poderá enviar o pedido de diagnóstico para a morada do Centro de Diagnóstico de patologías esqueléticas;

BCP - CENTRO DE DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS ESQUELÉTICAS
HOSPITAL VETERINÁRIO DO PORTO
Travessa Silva Porto, nº174
4250-475 Porto

 

IMPORTANTE: (A falta de algum destes documentos impede a realização do diagnóstico).

  • Impresso de pedido de cada diagnóstico devidamente preenchido.
  • As imagens radiográficas requeridas para cada um dos exames.
  • Fotocópia de Pedigree (onde figurem nome, data de nascimento, sexo, côr e identificação.
  • Fotocópia do recibo de pagamento na conta do HVP.
  • Fotocópia de recibo de pagamento da quota BCP, ano de diagnóstico.

O resultado do diagnóstico será comunicado no prazo médio de duas semanas ao proprietário, ao veterinário que consta no impresso e ao BCP.

Haverá a possibilidade de apresentar recurso ao diagnóstico emitido, por escrito endereçado ao BCP e argumentado pelo veterináio que realizou a radiografia, pagando préviamente 30.00€.

 

NORMAS PARA A CORRECTA REALIZAÇÃO DAS RADIOGRAFIAS DE DIAGNÓSTICO DE DISPLASIA DA ANCA (HD) E ESPONDILOSE (Sp).

1.
O exemplar ter no mínimo um ano de idade.
2.
As radiografias devem apresentar boa qualidade, aceitando-se tanto o formato convencional (40x30) como o digital (Dicom). A preparação da radiogradia implica a sedação profunda ou anestesia geral do animal para uma correcta realização do exame.
Displasia da anca (HD): Com o animal em posição ventro-dorsal, a imagem radiográfica deve ser perfeitamente simétrica e incluir toda a anca, fémures, rótulas e os condilos tibiais. Além da semetria da anca, é importante preservar o paralelismo dos fémures e a posição centrada das rótulas.
Espondilose (Sp): Radiografias latero-laterais que incluam todas as vertebras torácicas, lombares e o sacro. Podem realizar-se duas imagens que se sobrepôem se necessário.
3.

Para a identificação da radiografia únicamente serão aceites os sistemas que permitam a impressão no momento do disparo letras metálicas ou sistema X-write de fitas de chumbo. Serão recusados outros sistemas de identificação à posteriori. Na placa constará a identificação das extremidades, assim como os dados enumerados a continuação (em ordem):

Nome do exemplar.
Tatuagem ou número de micro-chip (Preferencialmente este último).
Data de Nascimento.
Data de realização da radiografia.
Assinatura do veterinário por meio de marcador permanente.
4.

O exame radiográfico deve permitir confirmar ou descartar a presença de displasia da anca ou espondilose, valorizando os diferentes graus A, B, C, D, E (em caso de displasia) e 0, I, II, III, IV (em caso de espondiloses). Eventualmente, o resultado de espondilose pode ser adicionado seguindo o critério de valorização comparativa com a média da raça (critério do BCI). Desaconselha-se a utilização para criação de exemplares com displasia D ou E. Durante o período de implementação incial (2 anos) o resultado da espondilose considera-se a título informativo, mas em qualquer caso desaconselha-se a utilização para criação de exemplares com espondilose III ou IV.

5.
O leitor oficial deverá receber:
As imagens radiográficas perfeitamente realizadas e identificadas.
A data do exame devidamente preenchida.
Os outros documentos referidos anteriormente (cópias de pedigree e recibo de pagamento).
 
   
BOXER CLUB DE PORTUGAL
DIAGNÓSTICO DE PATOLOGIAS ESQUELÉTICAS.

RESUMO ESQUEMATIZADO DOS PASSOS A SEGUIR:

  1. Descarga através do site do BCP do protocolo e impresso de certificado de exame.
  2. Realização do exame seguindo as instruções do protocolo.
  3. Pagamento ao HVP do valor correspondente à realização do diagnóstico.
  4. Envio do certificado de exame juntamente com todos os documentos requisitados.
  5. Recepção do diagnóstico oficial no prazo estabelecido.
 

     

 

© Boxer Club de Portugal